Problemas, dificuldades, decepções por Antônio Moris Cury

Muitos se queixam por excesso de problemas à sua volta, por dificuldades de toda ordem ou por terem se decepcionado com algumas pessoas em quem confiavam integralmente.

São muito comuns tais comentários que, diga-se de passagem, se repetem aos borbotões.

Todavia, os que se detiverem em tais questões e sobre elas refletirem profundamente, especialmente se apoiados nos ensinamentos contidos na veneranda Doutrina Espírita, concluirão, sem dificuldade, que todas têm uma razão de ser e, de quebra, podem ser explicadas à luz da lógica, do bom senso e, sobretudo, da razão.

Como bem o sabemos, de cor e salteado, a Terra, o planeta em que nos encontramos na presente existência, é de expiações e de provas, onde predominam o mal e a imperfeição ainda, de tal modo que é de categoria inferior no Universo, sobrepujando apenas os chamados mundos primitivos, cujo nome, por si, não deixa margem à dúvida.

Não há quem não tenha tido na Terra problemas ou dificuldades. Se eventualmente ainda não teve, seguramente terá mais adiante. Não estamos tratando aqui de augurar, mas, sim, de inarredável realidade.

Somos seres imperfeitos, mas fadados à perfeição relativa, com trabalho, com estudo, com dedicação, com esforço, com disciplina, com postura e compostura, com a busca permanente de nosso aperfeiçoamento intelectual e moral, com a pretensão de obter melhoria em todos os níveis e sentidos, ainda que a pouco e pouco, mas sempre, o que é perfeitamente factível, a despeito do que as aparências possam indicar ou sugerir em contrário.

Há muitos anos, costumava-se mencionar um brocardo popular que dizia: Os sábios aprendem até mesmo com as crianças. Quanta verdade numa simples frase! E, naquela época, salvo engano ou falha de memória, a frase, a expressão, não tinha qualquer conexão com a Vida Espiritual.

Com efeito, a atenta observação do dia a dia comprova, verdadeiramente, que todos aprendemos todos os dias.

Os problemas e as dificuldades que todos temos podem ser úteis, muito úteis, uma vez que podem e devem agitar a nossa inteligência com o objetivo de encontrar a melhor solução. Vistos por este ângulo, os problemas e as dificuldades podem ser considerados uma verdadeira alavanca de progresso. E, neste passo, muito importante destacar que progredir sem cessar é da lei [Lei Divina ou Natural]: Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei (uma das inscrições contidas no túmulo do corpo físico do eminente Professor Hyppolyte Léon Denizard Rivail, o nosso abnegado e extraordinário benfeitor Allan Kardec, em Paris, França).

Sobre este assunto, Irmã Scheilla, Espírito, em mensagem ditada em agosto de 1981 ao ilustre e ilustrado médium escrevente Raul Teixeira, aconselhava: Não há porque temer dificuldades, tendo em vista que não existe, sobre o chão do mundo, aquele que não se debate com problemas mais ou menos graves, requisitando maturidade e tolerância, de modo a solvê-los, devidamente (texto integral, intitulado Em Louvor do Serviço, encontrável na página 9 da edição de janeiro de 2015 do jornal Mundo Espírita).

Por outra parte, o fato de alguém decepcionar-se com outrem (no qual confiava integralmente) merece ligeira análise.

Com o devido respeito, a decepção deve ser conosco mesmo, e não com outrem, pela simples razão de que atribuíamos àquela pessoa características, qualidades e virtudes que ela ainda não possuía. A falha foi nossa e não dela. Ela, talvez, sequer imaginasse que a tínhamos em tão elevada conta.

Por fim, é de todo conveniente que procuremos administrar nossos problemas e dificuldades, por mais variados que sejam.

Estamos na Terra para aprender, muito aprender, a começar pelo aprendizado da fraternidade.

Esforcemo-nos por enxergar no próximo um irmão e fazer a ele o que gostaríamos que ele nos fizesse, tal como nos ensinou Jesus, o Cristo, Modelo e Guia da Humanidade, nosso Mestre, irmão, amigo e companheiro de todas as horas.

Considerando que temos consolidada a preciosa e incontestável informação de que a semeadura é livre, mas a colheita obrigatória, procuremos plantar o Bem, em qualquer circunstância e em qualquer situação, por maiores e mais complexos sejam nossos problemas e dificuldades, que seguramente colheremos o Bem. Sempre!

   


por Antônio Moris Cury
Artigo do Jornal Mundo Espírita - Março/2015